quarta-feira, agosto 23, 2006

Privado


Muito mais rude do que mexer na carteira de alguém é mexer na sacolinha que a pessoa trouxe da farmácia. Não existe invasão de privacidade que se compare e uma pessoa que faz uma coisa dessas imediatamente prova que é canalha ou, no mínimo, não tem um único ínfimo pingo de educação e respeito pelo invadido.

Porque pense bem, pense em todas as coisas que você pode encontrar ao mexer nas compras de farmácia de alguém! Camisinhas, vermífugo, remédio para piolhos, teste de gravidez, antidepressivo, Viagra, lubrificante, supositórios de glicerina, pomada para micose, aff! A possibilidade de constrangimento é tão imensa que não sei como não está no código penal. Muito mais aceitável mexer na correspondência. Nenhum extrato bancário é tão íntimo quanto um armarinho de banheiro.

8 Comments:

Blogger Helder da Rocha said...

O problema todo é a intenção de invadir a privacidade. Essas informações todas podem ser obtidas no lixo, que é jogado em um lugar público. No lixo tem até mais informação: pode-se descobrir que a camisinha ou o lubrificante foram usados, e muito mais.

12:03 PM  
Blogger Cris said...

vou ali comprar um cadeado pro meu armário de banheiro e volto já! bj

6:42 PM  
Blogger Cris said...

inda não, minina. já pensou meu desespero depois de ler esse teu post? e se descobrem meus segredos? mifu...

7:21 PM  
Blogger Biajoni said...

mas só se impressiona com esse tipo de coisa quem ainda idealiza o se humano.

ué, todo mundo não usa preservativo, lubrificante e vermífugo?

:>)

9:30 AM  
Blogger Cris said...

Ta ai, concordo com vc.
Beijo.

5:28 AM  
Anonymous Gabs said...

Eu odeio invasão de privacidade. Realmente odeio. Nos dias de hj tenho sofrido mais e portanto, me reservado mais tb.

Mas não ligo que mexam no meu armário do banheiro, não. A única coisa que pode ser comprometedora é se o cara com quem vc pretende ter uma noite tórrida de amor fuçar seu armário minutos antes e achar coisas tipo cremes vaginais e outros remédios corta-tesão que vc um dia, há longas Eras glaciais, foi obrigada a usar ou algo parecido...

Agora fuçar lixo dos outros é um absurdo. Bob Dylan conta em "Dylan, uma biografia" que um fã doente remexia seu lixo todas as noites e depois saia vendendo(!) restos e dando informações para repórteres de segunda. Uó.

1:27 PM  
Blogger Gabriel said...

Era o que eu ia dizer: uai, aqui ainda todo mundo usa as mesmas coisas...enfim, como diria o mestre caeiro, triste de nós que trazemos a alma vestida! Que pé no saco esse fã do dylan, ainda bem que ele sabia se virar com os fãs, hehehe
Beijo
Agora lembrei dum conto curtinho do veríssimoson, um em que um casal acaba ficando junto porque um inspeciona o lixo do outro na garagem do prédio...o amor é lindo e a beleza salvará o mundo!

8:48 PM  
Blogger Luiz Roberto Lins Almeida said...

vim aqui indicado pelo Alex Castro. Adorei o nome do não blog. a questão do armarinho de banheiro...hahahhah.... será que o armárinho do banheiro é mais íntimo do que a lixeira.

10:19 AM  

Postar um comentário

<< Home