sábado, maio 03, 2008

Errado


Você conhece a sensação, não conhece? Ah, conhece sim. A vergonha, o choque. E a culpa, puts, a culpa é de matar. A gente se sente tão fraco, tão patético. E ao mesmo tempo, dá o maior barato. Tudo isso porque a pessoa se apaixonou por quem não devia.

Eu não falei que você conhecia a sensação? Quase todo mundo conhece. Não, veja bem, não estou falando de amor impossível, gostar de quem não gosta da gente. É outra coisa. Estou falando de gostar de quem é indigno da gente, ou de alguém que simplesmente é encrenca. Como o chefe. A estagiária. Ou aquele cara meio mulherengo. A colega de trabalho casada. O namorado da amiga. Aquela mulher completamente desequilibrada, que você sabe que vai te ligar bêbada, de madrugada. O ex-namorado canalha da sua prima. A amiga doida da sua noiva. O colega irreversivelmente gay. Os exemplos são infinitos, um pior que o outro.

Sempre que eu vejo alguém nessa situação, alguém que simplesmente caiu na coisa de bobo, admito que morro de pena. É um sofrimento real quando a gente percebe que se apaixonou pela pessoa errada, na hora errada e – a pior parte, quando é o caso – pelos motivos errados. É nesses momentos em que se apaixonar é o oposto do que deveria ser e ao invés de deixar a gente flutuando, achando tudo lindo e sonhando acordado, faz com que a gente se sinta culpado, paranóico e infeliz.

Na maioria das vezes acaba mal, na melhor das hipóteses com um pouco de drama do tipo ridículo. Uma amizade rompida, um caso que termina mal-resolvido, uma briga que por pouco não chega às vias de fato. Em casos extremos, divórcio, falência, um processo, um crime.

18 Comments:

Blogger caio said...

crime? não vou levar tão a sério...mas ganhei algumas ressacas resultantes de noites tomando whisky e ouvindo mick jagger..espero que passe rápido...

bjos

11:01 PM  
Blogger alana said...

Eu sei bem como é a sensação de que você fala, infelizmente. Ou será felizmente? Tem alguns desses erros-essenciais-de-pessoa que até compensam, ao menos por uma certa ótica meio trash - histórias que não dão futuro a ninguém, mas dão um passado...

9:00 PM  
Anonymous Lu said...

Muito bom esse post...
Eu já me apaixonei por quem não devia mais de uma vez... Um amigo irreversívelmente gay, um homem que nem me notava e ainda amava outra que se fosse eu, tb me apaixonava por ela porque é uma mulher fantástica. Apaixonei-me por homem casado e pelo professor de matemática. E também apaixonei-me por outro quando era casada e fiz dele meu amante. E para completar também me apaixonei por outra mulher...
Como vê, teu post calhou bem para mim...
;-)

11:13 PM  
Blogger Flávia Stefani said...

Nessas horas percebo que estou até bem das pernas. O mais longe que fui foi apaixonar-me por um grande amigo, logo aquele lindo de morrer que me adorava, mas não tinha o menor interesse por mim. Que bom. Espero manter o currículo assim.

11:39 PM  
Blogger Gabriel said...

conhece a teoria de alison? procura no google. é sensacional. ainda vou desenvolver essa teoria de forma mais profunda.
o que é pior: uma alison ou a mulher errada? enfim, vou dormir.
beijo

2:10 AM  
Blogger Gabriel said...

ah, perae, voltei: e se a mulher errada for uma alison? meu deus, hahahahaha! vai ter azar assim lá com o rubinho barrichelo! (oh, sim, antes que se queixem: nada tenho contra a mulher dele, muito menos a conheço, mas já de cara não simpatizo com ela.)

2:18 AM  
Anonymous Menina Eva said...

Nossa, sei sim.

11:47 AM  
Blogger Andréa Milch. said...

Que descoberta! Quando descubro blogs é sempre assim... leio o primeiro parágrafo, ele me fisga, me leva até o final do post, e assim ainda que preconceituosamente eu já tenho certeza do meu achado.

que achado legal!

5:35 PM  
Anonymous _Maga said...

"O amor é o que há de essencial, mas exige demais, entranha-se pele adentro, osso adentro, alma adentro, sacode, balança, estremece, não deixa nada no lugar. É uma embriaguez." p. 33, Alcione Araujo

Adorei o teu post, você escreve muito bem, e ainda arranjou um assunto pra lá de interessante. Parabéns!

10:17 PM  
OpenID oceuevermelho said...

têm umas escolhas que fazem "com que a gente se sinta culpado, paranóico e infeliz" (sic). escolhas com algum sentido até desconhecido. mas são escolhas, ainda. por alguma razão, lá estão. daí pra fazer uma escolha menos sofrível... só refletindo, refletindo, refletindo (esperando que não ad infinitum).

3:13 AM  
Blogger Paulinha Liz said...

Sabe o que é pior nessas histórias... é essa sensação de algo que nunca vai realmente desaparecer de dentro da gente... de inutilidade, de incompetência.

Gostei muito do texto.
Abraços

11:30 PM  
Blogger L. said...

As pinturas deste cara são ótimas para retratar o que vc disse.

10:53 AM  
Blogger Ulisses Adirt said...

Que triste...

11:01 AM  
Blogger carlosguitar said...

Este comentário foi removido pelo autor.

5:34 PM  
Anonymous carlos guitar said...

O pior de tudo é saber que agente mesmo deu vasão para tal, e depois de alguns dos desfechos citados no post, (exceto falência), você diz: "que p. eu fui fazer?"

5:36 PM  
Anonymous josue mendonca said...

acho que vc definiu perfeito quando disse "um drama do tipo ridículo" com toda a força de ambos os conceitos..

3:49 PM  
Anonymous Anônimo said...

Eu estou perdidamente apaixonada por uma pagodeiro, frequentador de micarês, que tem uma ex-mulher e dois filhos e algumas outras mulheres, além de mim. O cara é a maior furada, mas eu tenho que confessar que faria muitas coisas (algumas bem trash) pra ficar com ele. Faço o quê agora?
detalhe: ele não quer nadica de nada comigo.

2:40 PM  
Blogger Biel said...

Bom saber que mais pessoas assim exitstam ^_^ , não estou sózinho.

1:02 PM  

Postar um comentário

<< Home