sábado, setembro 13, 2008

Me acordem para o almoço

Toda vez que eu estou quietinha na sala da minha casa tentando tirar um cochilo, alguém (quase sempre a minha mãe, mas varia) me acorda para perguntar porque eu não levanto do sofá e vou dormir na minha cama. Normalmente eu resmungo e volto a dormir, mas agora eu vou explicar publicamente e de uma vez por todas, para que nunca mais ninguém seja acordado do seu cochilo para ouvir uma pergunta besta dessas.

Para começar, cochilo é cochilo, sono é sono. São coisas muito diferentes. Eu, que sou já mestre no assunto, nem mesmo preciso estar com sono ou muito cansada para deitar e cochilar: só precisa uma preguicinha e alguma coisa que justifique um pouco de cansaço (do tipo, levei minha cachorra para passear, fiz um bolo de fubá, tirei os papeizinhos velhos da bolsa, etc). Por isso mesmo, cama não serve, porque cama existe para dormir a sério. Para cochilos, o ideal são poltronas, redes, cadeiras de balanço, toalhas de piquenique, espreguiçadeiras, tapetes felpudos, almofadões, cadeiras ou esteiras de praia ou, claro, sofás. O máximo de seriedade que um cochilo permite é usar a cama de outra pessoa, porque senão o cochilo vira sesta, que também é outra categoria.

Tem outros detalhes importantes para um cochilo bem sucedido: por exemplo, não se cochila de pijama (exceto se for domingo e você estiver passando o dia todo de pijama, aí pode). A roupa ideal é aquela de ficar em casa mesmo, meio velhinha, mas de verdade quase qualquer uma serve. A única realmente proibida é roupa formal, porque de verdade, é impossível um cochilo decente de gravata ou colar e vestido. Quando isso acontece, é porque a pessoa só pegou no sono – e isso não é cochilo, cochilo tem que ser de propósito.

Ah, importante: acessórios para cochilo. TV ligada baixinho, revista, jornal ou livro na barriga, xicará de chá do lado deixada pela metade, esfriando, um gato ou cachorro dormindo do lado – no caso do gato, se for pequeno, pode ficar em cima da barriga, principalmente se estiver ronronando – e cobertor, se estiver frio o suficiente. Lareiras acesas também são recomendadas para cochilos charmosos.

A última regra e a mais importante é que um cochilo dura no máximo duas horas, de preferência menos. MAS (reparem nas maísculas enfatizando) ninguém pode acordar quem cochila, a pessoa tem que acordar sozinha ou talvez porque o gato se mexeu. Essa parte minha mãe não entende e insiste em continuar me acordando perguntando se eu já não dormi demais ou dizendo que eu vou estragar o sono da noite ou me mandando ir dormir na cama. Sinceramente? Eu acho que ela me acorda é para pegar o sofá para ela.

Pronto, postei. Agora vou dormir.

16 Comments:

Anonymous Laís said...

Ah, adorei o post! Cochilos são ótimos... uma curiosidade: dormir em carteira de sala de aula conta como cochilo para você? So expert nisso...

6:41 PM  
Blogger Alessandra said...

Laís, depende. Se você só pegar no sono durante a aula porque está cansado, não. Mas se você fizer como eu, que na minha aula de sábado de manhã (créditos a cumprir, que se vai fazer?) ia de óculos escuros e escolhia a carteira do canto para poder encostar confortavelmente na parede, aí conta como cochilo sim.

2:55 PM  
Anonymous Anônimo said...

Você é uma pessoa MUITO bacana!!

10:51 PM  
Blogger alana said...

Posso enviar cópia do texto pra minha mãe, especialista na arte de perturbar cochilos de sofá?
(adorei o post, pra variar)

6:05 PM  
Blogger Paulo Tiago said...

Cochilo de 2 horas? Isso é dormir, porque dá pra você praticamente entrar em REM e voltar. Ou seja: é sono.

E eu cochilava muito em sala e no ônibus. Coletivo se mexendo é como uma mãe me ninando.

12:19 PM  
Anonymous josue mendonca said...

muito legal o texto...as dicas..
adoro dormir!!

8:00 PM  
Blogger João said...

Alê, dormir no banco do ônibus se enquadra na categoria de cochilos?
Beijos

2:31 PM  
Blogger Alessandra said...

Paulo, João, ônibus e metrô só conta como cochilo se for de propósito. Pegar no sono não é cochilo, é pegar no sono mesmo. Mas sei lá, nunca consegui dormir em nenhum dos dois, não acho seguro o suficiente para relaxar e dormir. Mas avião, ixe! Até porque em vôo a úica opção é cochilar, já que dormir direito é impossível.

3:42 PM  
Anonymous aaandy said...

mmm..
adorei seu texto sobre chochilos.
eu ando com uma PUTA dificuldade de cochilar..
parece que sempre que eu deliberadamente tento fazer isso fora de uma ambiente lotado e barulhento (sala de aula,ônibus,casa da avó) o maldito sono me foge.
beem legal mesmo :)

6:51 PM  
Blogger Marina Camargo said...

Cochilar é arte divina. Tem gente que faz bem, tem que gente que mal faz.
Ainda bem que existe o cochilo. Parece até que renova o corpo.

2:37 AM  
Anonymous Tha said...

noooooossa!! eu tb sou expert master em cochilo! eu consigo inclusive no onibus e metro! atravesso a cidade duas vezes por semana do tucuruvi a saude e sento estrategicamente na janela e... hham nham... meia hora de cochilo hauahauahauahau!

to amando seus posts, precisa atualizar hein!
bjos

11:06 PM  
Anonymous Anderson said...

Muito bom o humor no texto!

9:48 AM  
Blogger Paulinha Fernandes said...

Talvez agora eu incomode menos a minha irmã no sofá!
Obrigada!
hehe
:P

7:41 PM  
Anonymous César Miranda said...

Um dos melhores posts que li na vida.

7:56 PM  
Blogger Alessandra said...

César, você tem muito bom gosto. ;-)

10:10 PM  
Blogger Jampa said...

Finalmente alguém conseguiu converter em palavras o significado do cochilo, eu só acrescentaria que, um bom cochilo tem que ter algo incomodando (um gato mexendo, uma professora falando, um ônibus balançando e a cabeça batendo no vidro, uma rede rangendo, etc) algo que impeça o cochilo virar sono, se não tiver estraga o cochilo.

3:00 PM  

Postar um comentário

<< Home