quinta-feira, agosto 23, 2007

Whatever


Quarter-life crisis, já ouviu falar? Acho que não, espero que não. É uma chatice que acomete gente de vinte e poucos anos que pensa demais e está sempre angustiada com a vida. Como eu. Tem gente que acha um glamour baudelairiano na coisa toda, porque deixa a gente com um ar de ennui romântico, mas para falar a verdade não é muito divertido, não. É só chatinho, e tem um gosto um pouco amargo. Parecido com a sensação que a gente tem quando está numa festa meio chata onde não conhecemos ninguém direito, mas temos que ser simpáticos e fazer cara de interessados quando alguém fala alguma coisa e dar respostas atenciosas, até chegar num ponto em que a gente precisa procurar um canto, um quarto vazio, um banheiro menos movimentado, qualquer lugar em que não tenha ninguém exigindo simpatia para se abastecer de um pouco de solidão e descansar os músculos do rosto. A pior parte é que às vezes dá a impressão que a sensação vai durar para sempre e o resto da sua vida vai ser uma festa chata onde você precisa fazer social.

Calma, não é sempre assim. Não o tempo todo, só na maior parte do tempo. Fique tranqüilo que eu não vou ficar falando disso, já disse que acho uma chatice, daqui a pouco passa. Ajuda se você pedir mais uma cerveja e der uma mordida, de leve, aqui na curva do meu pescoço e ficar vendo eu me torcer toda de cócegas.

10 Comments:

Anonymous Ed said...

há quem tenha isso impregnado, como se vivesse no mundo do Julien de Sorel. Eu, pór exemplo.

4:58 PM  
Blogger osrevni said...

Confesso que não vejo glamour algum...

12:20 AM  
Anonymous Dael said...

Não precisa pedir duas vezes.

12:25 AM  
Anonymous elisa said...

você é muito boa.

11:48 AM  
Blogger Helder da Rocha said...

ja pedi a cerveja :-)

1:29 PM  
Blogger Gabriel said...

ainda bem que sou jovem e não vou morrer nunca!
(ok, desesperar jamais, mas kaiser nunca!)

2:41 PM  
Anonymous Anônimo said...

i'm with you baby...

menos na parte da mordida no pescoço, ok?

luv ya!

Camis

12:07 PM  
Blogger Branco Leone said...

Com mordidinhas no pescoço, isso passa? É duro ser heterosexual, não?

E se for pra ilustrar textos assim com Hoppers tão a ver com os textos, continue. Experimente agora com o da lanterninha.

1:27 PM  
Anonymous Giseli said...

gostei da gravura, lindo chapéu. E esse estado deve ser cultivado, senaum a gente fica muito feliz...hehe, perde o charme.

mas isso passa, passa mesmo, não tem jeito. sempre tem uma coisa boa pra estragar todo o processo....

2:27 AM  
Blogger Denise Andrade said...

oi Alessandra, gostei do tom "agressivo" de seu post. Amei a imagem de Hopper. Da escrita enxuta e do "ir direto ao ponto".
E claro, do humor que arremata o teor contundente do texto.
Que venham as festas, pois abriremos as cervejas...rs
Beijo.

10:44 AM  

Postar um comentário

<< Home